terça-feira, 9 de abril de 2019

Complexidade e visualização


Flowingdata
Projeto de Nathan Yau
https://flowingdata.com/

Visual Complexity 
Projeto de Manuel Lima
http://www.visualcomplexity.com/vc/about.cfm


 

 

Plano de aulas COS 1_2019



 Plano de aulas COS 1_2019




AULA
Data
Conteúdo
Atividade/Referência/Trabalho

1
21/fev
Apresentação do Semestre
Sistema de avaliação
Apresentação dos alunos
Narrativas e histórias de vida
Processos de criação
Sistemas de organização e documentação de processos

Criar sistemas de trabalho para o semestre. Arquivos de processos. Diário de Bordo, Blogs.

Sugestões:
-        - Pinterest
-        - Scoop it
-              
2
28/fev
Aula expositiva:
Conceitos fundamentais, Ontologia, Epistemologia, Metodologia.

Sobre epistemologia da comunicação, ver:
MARTINO, Luis Mauro Sá (2013). "A Disciplinarização Da Epistemologia No Ensino Da(S) Teoria(S) Da Comunicação". Intexto. no. 29: 5-22.

Atividades:
Desenvolver esboço inicial do artigo para a Disciplina. Formação de grupos e organização de seminários.


3
7/mar
Aula expositiva:  
Teorias da Complexidade, Crise de paradigmas, conhecimento e meta-conhecimento, conceitos de cultura.
Estado da arte, campo de pesquisa, problema de pesquisa.

MORIN, Edgar (1999).  O método III: conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina.

Atividade:
Pesquisar, para o artigo da disciplina:
-    - estado da arte (tema e problema da pesquisa)
-        - artigos científicos


4
14/mar
Aula expositiva:
Edgar Morin e a Complexidade

MORIN, Edgar (2014). Complex thinking for a complex world. About reductionism, disjunction and systemism. Systema: Connecting matter, life, culture and technology, v. 2, n. 1, p. 14-22.


5
21/mar
Aula expositiva:
Escrita de artigo
Pesquisa em plataforma CAPES de periódicos

Fazer pesquisa de periódicos para o artigo que irá escrever para a disciplina.



6
28/mar
Seminário: A agonia de Eros
(Camila, Danica, Diego Arvate, Luma)
HAN, Byung Chul (2017). Agonia do Eros. Petrópolis: Vozes.

7
4/ab
Seminário: Manifesto Cyborg
(Dionísio, Rafael, Roseni)
HARAWAY, Donna J. (2000). “Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX”. In: SILVA, Tomaz T. (Org.). Antropologia do ciborgue: As vertigens do póshumano. Belo Horizonte: Autêntica.

8
11/ab
Seminário: Sociedade da Transparência
(Cinthia, Marcelo, Maurício)
HAN, Byung Chul (2018). A Sociedade da Transparência. Petrópolis: Vozes.


18/ab
Feriado: Semana Santa


9
25/ab
Seminário: Imaginário e realidade
(Ana, Marília)

MAFFESOLI, Michel (2001). O imaginário é uma realidade? Revista FAMECOS. Porto Alegre - nº 15, ago. p.74-82.

10
2/mai
Seminário: Emergência
(Diego Villar, Mariana)

JOHNSON, Steven (2003). Emergência: A dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades e softwares.  Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
11
9/mai
Seminário: A agonia de Eros (parte2)
Entrega Artigo (versão 1)


12
16/mai
Orientação de artigos


13
23/mai
Orientação de artigos


14
30/mai
Orientação de artigos
Entrega final:
·       Artigo
·       Relatório do Semestre
·        


6/jun
Não haverá aula: Congresso


15
13/jun
Devolutiva e Encerramento do Semestre





-->

Turma Aulas COS 1 2019





1.         Ana Carolina Sant'Anna de Almeida
2.         Camila Maria Grijó de Almeida
3.         Cinthia Aparecida Nardelli Guedes
4.         Danica Vasques Fagundes Machado
5.         Deise Anne Rodrigues de Souza
6.         Diego José da Silva
7.         Dionisio Moreno Ferres
8.         Luma Santos de Oliveira
9.         Mariana Leonhardt Hallage
10.       Mauricio Pontes Esposito
11.       Rafael Augusto Montassier
12.       Roseni Guimaraes Correa de Moraes
13.       Victor de Souza Castro

Ementa 2_2019 :: Processos de criação e complexidade: as novas faces do cinema, TV e vídeo


PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO
Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Processos de criação e complexidade: as novas faces do cinema, TV e vídeo

Área de Concentração: Signo e Significação nos Processos Comunicacionais
Linha de Pesquisa 2: Processos de Criação na Comunicação e na Cultura
Profa. Dra. Lucia Leão (007253)
Semestre: 2º/2019
Horário: 5ª feira, das 16 às 18h45
Créditos: 03
Carga Horária: 225 horas


A disciplina oferece reflexões teóricas sobre os processos de criação nas mídias em sua diversidade. Os percursos de criação serão discutidos no âmbito do pensamento da  complexidade, estabelecendo nexos entre os conceitos de semiose, rede e a teoria dos sistemas. As redes semióticas apresentam aspectos que evidenciam os parâmetros sistêmicos. Serão enfatizados diálogos da comunicação, com as artes, as ciências e com os próprios criadores.

O curso está organizado em quatro esferas: (1) conceitos fundamentais: cinema, televisão, vídeo, video-on-demand, hipermídia, transmídia, videogame, fotografia, animação, imagem, imagem em movimento, imaginário; (2) tecnologias e novas práticas: estética dos bancos de dados, cultura do software, pós-produção, narrativas transmidiáticas e pós-mídia, narratologia, multimodalidade e intermedialidade, cinema simbiótico, cinema multi-tela, pós-cinema; (3) procedimentos de criação no audiovisual: tradução, transcriação, adaptação, imagem e imaginário em narrativas complexas, hiper-narrativas, narrativas seriadas e webséries, cultura participativa, de fãs e redes sociais, arquivo, memória coletiva, filmes caseiros, Youtube e técnicas do faça-você-mesmo (DIY), montagem, colagem, bricolagem, remix e sampleamento; (4) aproximações críticas: cinema, arquivo e história; ficção e meta-ficção; audiovisual, arte e política; políticas e poéticas do documentário.

O método de trabalho da disciplina é composto por aulas expositivas, seminários e discussão de processos de escrita de artigos. A avaliação é processual e compreende: atividades em aula, participação em discussões, leituras, exercícios, frequência e pontualidade, apresentação de seminário, relatório de processos no semestre e escrita de artigo.

Bibliografia básica:



CHATEAU, Dominique; MOURE, José (Eds.). Screens: From Materiality to Spectatorship—A Historical and Theoretical Reassessment. Amsterdam: Amsterdam University Press. Screens, 2016.
DENSON, Shane; LEYDA, Julia (Eds.). Post-Cinema: Theorizing 21st-Century Film. Sussex: REFRAME Books, 2015.
ELSAESSER, Thomas; HAGENER, Malte. Film theory: An introduction through the senses. New York: Routledge, 2015.
MICHAUD, Philippe-Alain. Filme: por uma teoria expandida do cinema. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

Bibliografia complementar:


CORRIGAN, Timothy. O Filme-Ensaio. Desde Montaigne e Depois de Marker. Campinas: Papirus, 2015.
DALLE VACCHE, Angela (Ed.). Film, Art, New Media: Museum Without Walls?:. London and New York:  Springer, 2012.
LEÃO, Lucia (Ed.). Processos do imaginário. São Paulo: Képos, 2016.
NAVAS, Eduardo; GALLAGHER, Owen.; BURROUGH, X. (Eds.). The Routledge companion to remix studies. New York : Routledge, 2017.


sexta-feira, 8 de março de 2019

Referências citadas na aula dia 7/mar/19

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Metaphors we live by. Chiacago: University of Chicago Press, 2008. 
MORIN, Edgar. Cinema ou o homem imaginário. São Paulo: É Realizações, 2014.
 
 

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Morin e a complexidade


Texto para discussão da aula dia 28/fev/19:

MORIN, Edgar. Complex thinking for a complex world–About reductionism, disjunction and systemism. Systema: Connecting matter, life, culture and technology, v. 2, n. 1, p. 14-22, 2014.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Ementa 1_2019 :: Teorias da complexidade na comunicação: culturas e poéticas das redes


PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO
Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Área de Concentração: Signo e Significação nos Processos Comunicacionais
Linha de Pesquisa 2: Processos de Criação na Comunicação e na Cultura

Disciplina do eixo fundamental: Teorias da complexidade na comunicação: culturas e poéticas das redes
Professor: Lucia Leão (cod.: 7253)
Semestre: 1º/2019
Horário: 5ª feira, das 16 às 18h45
Créditos: 03
Carga Horária: 225 horas


EMENTA
A disciplina estuda a contribuição das teorias da complexidade para o desenvolvimento do campo científico da Comunicação. Essas teorias enfocam a semiose como processo sistêmico que articula dimensões socionaturais, socioculturais e intersubjetivas.  A complexidade é pensada como processos atuando em conjunto, possibilitando conectar e contextualizar as estruturas e reconhecer as singularidades. Evitam-se, assim, o reducionismo que dissolve os sistemas para considerar somente suas partes e o atomismo que concebe seus objetos de maneira isolada. A disciplina enfatizará os seguintes aspectos: 1) histórico do pensamento complexo, desde a teoria da informação e as primeiras formulações da cibernética e da teoria geral de sistemas até as propostas de uma ontologia científica sistêmica; 2) rede como modo de pensamento das relações; e 3) interações do pensamento complexo com a cultura, as mídias e os processos de criação.

Em seu recorte específico, a disciplina relaciona conceitos de emergência, redes, cooperação, sistemas complexos adaptativos, cartografias colaborativas e resiliência com o objetivo de discutir processos de criação nas redes digitais. Busca-se estudar o universo das mídias e suas relações com os sistemas da cultura, em seus fluxos comunicacionais (trocas, transmissões e traduções). O conteúdo da disciplina versa sobre os temas: visões contemporâneas do conceito de emergência; dinâmicas não-lineares; abordagem dos sistemas complexos no estudo dos fenômenos culturais; mapas de complexidade; políticas da cooperação; processos criativos em rede e cartografias da cultura. O quadro teórico-epistemológico de referência envolve, entre outros: Edgar Morin, Michel Serres e De Landa. Em termos metodológicos, o curso é composto por aulas, discussões em grupo e seminários. A avaliação é processual e envolve: seminários, participação nas discussões em sala de aula e nas redes; redação de monografia.


Bibliografia Básica
DE LANDA, Manuel (2006). A new philosophy of society assemblage theory and social complexity. London: Continuum.
LEÃO, Lucia (2001). O labirinto da hipermídia. São Paulo: Iluminuras.
MORIN, Edgar (1999).  O método III: conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina.
PETERS, John Durham (2016). Nuvens. In: Lucia Leão (org.) Processos do Imaginário. São Paulo: Képos.
SERRES, Michel (1982). Hermes: Literature, science, philosophy. Baltimore, Md and London: Johns Hopkins University Press.

Bibliografia Complementar
GALANTER, P. (2016). An Introduction to Complexism. Technoetic Arts: A Journal of Speculative Research, 14(1-2), 9-31.
KITTLER, Friedrich (2005). “A história dos meios de comunicação”. In: Lucia Leão (org.). O chip e o caleidoscópio: reflexões sobre as novas mídias. São Paulo: Editora SENAC, 2005.
LATOUR, Bruno (2014). Network: a concept, not a thing out there. In: Larsen, Lars B. (org.) Networks. Cambridge, MA : The MIT Press.
ROSENSTHIEL, Pierre (1988). Rede. In: Enciclopédia Einaudi – vol. 13, Lógica – Combinatória. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda.